Governo do Estado de São PauloIPEM-SP

Breve história do IPEM-SP

Imprimir E-mail
Os primórdios.

O Brasil adotou oficialmente o Sistema Métrico Decimal com a Lei Imperial n° 1157 de 26 de junho de 1862, por obra e graça do Imperador Dom Pedro II, um dos governantes mais eruditos e esclarecidos do seu tempo. Isso significou substituir a diversidade de padrões de medição herdada do período colonial pelo chamado sistema métrico francês. Significou, também, um grande passo em direção à modernidade, que colocou o País entre os mais avançados do mundo. Na prática, o Sistema Métrico começou a ser implantado apenas dez anos depois da Lei, mas sofreu grande resistência da população e da classe política, que não era tão esclarecida quanto o seu Imperador. Desse modo, apesar do vanguardismo de Dom Pedro II, o Brasil se distanciou dos demais signatários da Convenção do Metro e não ratificou a sua adesão ao sistema.

Com o fim do Império a questão só piorou. Durante a República Velha, todo o esforço que fora despendido por Dom Pedro II para aproximar o Brasil dos países mais desenvolvidos em termos de ciência, tecnologia e metrologia sofreu grave retrocesso. A instabilidade política e econômica imposta ao país pelos primeiros governos republicanos, aliada ao desinteresse desses governantes pela questão, fez com que a regulamentação e o controle da metrologia regredissem à sua condição mais basal, saindo da esfera federal e retornando ao arbítrio dos municípios.

A modernização.

Com o Estado Novo a questão de metrologia é retomada. A industrialização do país, a partir de meados da década de 1930, exigiu a criação de institutos tecnológicos como o Instituto de Pesquisas Tecnológicas de São Paulo (IPT), que possuía uma seção de metrologia. Mais tarde o governo federal cria o Instituto Nacional de Tecnologia (INT) dotado com uma divisão de metrologia, numa nova tentativa de centralizar o regramento metrológico e abrigar os poucos padrões primários. Esses padrões, aliás, não eram provenientes do Bureau Internacional de Pesos e Medidas, pois o País só iria filiar-se novamente ao BIPM em1953.

Em 1961, como parte da reestruturação do Ministério da Indústria e do Comércio, as atribuições de cunho metrológico do INT foram transferidas para o recém criado Instituto Nacional de Pesos e Medidas (INPM), cujas atividades marcaram a expansão e consolidação da metrologia legal no Brasil. No Estado de São Paulo as atividades metrológicas passam a ser exercidas pelo Serviço de Assuntos Comerciais da Secretaria do Trabalho, Indústria e Comércio, que recebera delegação do INPM em 1964.

A criação do IPEM-SP.

Em fevereiro de 1967 o Governo Federal resolve delinear a política metrológica para todo o país, e regulamentar as atribuições do então Instituto Nacional de Pesos e Medidas - INPM, através do Decreto-Lei nº 240 daquele ano. Uma das diretrizes dessa política era a criação dos órgãos estaduais delegados do INPM.

Na esteira dessa política foi criado, pelo o Decreto Estadual nº 47.927 de 24 de abril de 1967, no mandato do governador Roberto Costa de Abreu Sodré, o Instituto de Pesos e Medidas do Estado de São Paulo – IPEM-SP, ainda vinculado à Secretaria do Trabalho, Indústria e Comércio, com a finalidade de executar, nos termos da delegação do INPM, os serviços técnico-administrativos de pesos e medidas. Em 1973, com a criação do Inmetro, recebeu a delegação de autarquia para realizar as atividades de controle metrológico no estado.

Veja fotos: implantação dos serviços do Ipem-SP
Consulte: breve história do Sistema Internacional de Unidade - SI

 
Secretaria da Justiça e Cidadania

Site desenvolvido pela Assessoria de Comunicação e pelo Departamento de Tecnologia da Informação do Ipem-SP
© 2013 - Todos os direitos reservados